sábado, 11 de janeiro de 2014

A "casa na pedra" na Praia de Astúrias

Desde que comecei a frequentar o Guarujá, antes minha família ficava hospedada na Praia da Enseada, ainda assim, uma das grandes diversões era caminhar por toda a praia de Pitangueiras e ir até a Praia de Astúrias, que logo pela manhã ou final do dia quando a maré está baixa, é possível caminhar pelo mar.
Ao lado do Edifício Sobre as Ondas, encravada entre as pedras no morro que separa as praias de Pitangueiras e Astúrias, totalmente integrada à paisagem, estava a “casa na pedra”, que sempre mexeu com minha imaginação. Quem mora lá? De quem é? Como foi construída?



O tempo passa e ela continua lá, com o charme de sempre, com toda sua elegância, colada ao mar.

A casa tem uma espécie de anexo todo envidraçado, com alguns sofás brancos e eu me imaginava ali, sentada, olhando o mar...


Fui pesquisar um pouco mais para conhecer sua história...
Achei algumas fotos do interior da casa (que matam parte da minha curiosidade... e perceber como as rochas são integradas ao interior da casa) no site:

A construção da casa

A Casa da Pedra, entre as praias Astúrias e Pitangueiras, foi projetada em 1952 pelo arquiteto ucraniano radicado no Brasil Gregori Warchavick.
Gregori Warchavchik (1896-1971), veio para o Brasil em 1923 e tinha um escritório de arquitetura onde foram revelados alguns talentos como Oscar Niemeyer, Vilanova Artigas, Charles Bosworth e também Henrique Cristofani (ou Verona, como gostava de ser chamado).

Como o arquiteto que havia contratado para construir o Edifício Sobre as Ondas, Jayme Fonseca Rodrigues, acabou falecendo, seu construtor (Roberto Braga) contratou o escritório de Warchavchik para projetar uma casa debruçada acima do mar. Verona, que trabalhava no escritório, foi incumbido de projetar a casa que parece estar dentro do mar, brotando entre as rochas que dividem as praias de Astúrias e Pitangueiras.

Mazzaropi no Guarujá

A Casa da Pedra foi cenário do filme “O Puritano da Rua Augusta”, produzido e estrelado por Mazzaropi (Cia Cinematográfica Vera Cruz, 1965).



Este filme é muito é muito bom e Mazzoropi está impagável como ser Pundoroso!


Seu personagem, sr, Pundoroso, uma empresário paulista extremamente conservador, vai com os filhos até o Guarujá e dá ordem para suas filhas vistam antiquíssimos maiôs. As filmagem acontecem exatamente em frente à “casa na pedra”.



Hoje ela está rodeada de grandes prédios, o que altera a topografia, mas não tira o seu charme e o toque vanguardista. Ela ainda mexe com minha imaginação e com a vontade passar uma tarde sentada naquele sofá branco, olhando o mar...


9 comentários:

  1. Amor amar o mar sentido o vento a vida passar.....

    ResponderExcluir
  2. Amo este meu planeta Terra com suas paisagens, seres, locais e riquezas geográficas maravilhosas e surpreendentes. Minha vida passará por ela como água de rio. Mas as imagens que eu vivi... ficarão

    ResponderExcluir
  3. Quando garota eu ia para a colonia ali próximo e adorava olhar aquela casa, e me imaginava também sentada ali naquele sofá branco e as vezes coberto...

    ResponderExcluir
  4. Qdo eu era pequena ouvia dizer que aquela casa era do Didi (trapalhões)Mas acho q era mentira. E ate hj morro de curiosidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade era o dono da rede Zacharias de pneus o proprietário.

      Excluir
  5. minha visão da casa é outra : eu sempre passei e vi a casa como que usurpando um terreno que é da marinha brasileira...

    ResponderExcluir
  6. Não há quem passe ali e não olhe para ela.Acho que muita gente ainda se pergunta como ela se mantem firme com aquelas ondas quebrando a seus pés.

    ResponderExcluir
  7. Não há quem passe ali e não olhe para ela.Acho que muita gente ainda se pergunta como ela se mantem firme com aquelas ondas quebrando a seus pés.

    ResponderExcluir